Verstappen vence no México e Hamilton conquista o quinto título

O champanhe e o troféu na Cidade do México foram para Max Verstappen, o holandês fez uma corrida exemplar, repetindo sua vitória de 2017 no Autódromo Hermanos Rodriguez. Mas, embora tenha sido a quinta vitória de Verstappen, o quarto lugar de Lewis Hamilton, foi o suficiente para coroá-lo campeão mundial a duas corridas do término da temporada, tornando-se o terceiro piloto, com cinco campeonatos mundiais.

Sebastian Vettel sabia que suas chances na briga pelo título eram mínimas. Mas, apesar de ter tido um bom desempenho, incluindo executar uma ultrapassagem fantástica sobre Hamilton na volta 39, terminando em segundo, não foi o suficiente para adiar a conquista de Hamilton.

O alemão herdou o segundo lugar depois que Ricciardo sofreu seu oitavo abando da temporada, depois de seu motor apresentar problemas na 62ª volta. Foi uma reviravolta cruel para o australiano.

Vettel foi acompanhado no seu pódio pelo seu companheiro de equipe Kimi Raikkonen, o finlandês teve uma tarde quase sempre tranquila. Os pilotos da Mercedes terminaram em quarto e quinto, Hamilton à frente de Valtteri Bottas.

Algumas boas atuações no meio-campo, como Nico Hulkenberg terminando na sexta posição, boa notícia para a Renault em um dia em que o Haas não conseguiu um bom desempenho, Charles Leclerc terminou em sétimo, enquanto Stoffel Vandoorne ficou em oitavo, igualando seu melhor desempenho do ano.

A corrida:

Menos de 24 horas após conquistar a pole position, os sonhos de Daniel Ricciardo de converter isso em uma vitória quase terminaram nos primeiros cinco segundos do Grande Prêmio, quando sua RB14 se desviou da linha. Isso permitiu que o companheiro de equipe Verstappen se colocasse na liderança, enquanto Lewis Hamilton aproveitou o infortúnio de Ricciardo para chegar em terceiro lugar.

Assim que Ricciardo se recuperou, ele ficou em terceiro lugar. Depois de uma série de incidentes na primeira volta, desta vez Vettel foi incisivo, passando por Bottas assumindo o quarto lugar.

Mais para trás, o contato entre a Force Índia de Esteban Ocon e Nico Hulkenberg da Renault, fez uma vítima improvável, com uma peça da asa dianteira de Ocon entrando debaixo da McLaren de Fernando Alonso, causando o abandono do espanhol cinco voltas mais tarde.

Na frente, Verstappen não estava disposto a ficar por perto e imediatamente começou a dar voltas rápidas para tentar abrir uma brecha para a perseguição de Hamilton. Mas os pneus iriam claramente desempenhar um grande papel nesta corrida, e os ultrasofts de Lewis Hamilton pareciam limitados quando ele se tornou o primeiro piloto a chegar na 12ª volta, com a Mercedes chamando Hamilton e Bottas juntos para os boxes e colocando os pneus supersofts, Ricciardo e Verstappen seguiram o exemplo nas voltas 13 e 14. Isso deixou as Ferraris nas primeiras posições, até que eles também parassem para colocar os pneus supersofts na volta 18.

Verstappen estava indomável na frente, abriu uma boa vantagem de Hamilton, Vettel, fez uma grande corrida, conseguiu depois o terceiro lugar de Ricciardo. E então, cinco voltas depois, veio o confronto que todos estavam esperando, quando Vettel se aproximou de Hamilton em P2. Vettel passou Hamilton na Curva 1 e depois segurou para ficar em segundo.

Infelizmente para Vettel, Verstappen estava longe demais, com o holandês chegando à sua quinta vitória na carreira, Raikkonen terminou em terceiro, ajudando a manter a decisão dos construtores entre a Mercedes e Ferrari até o GP do Brasil.

Foto: Cortesia de Pirelli

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

error: Conteúdo protegido contra cópia. Caso queira adquirir o conteúdo, envie um e-mail para: contato@diretodopodio.com.br