GP da França de Fórmula 1 – 2018

A Fórmula 1 retorna ao Circuito Paul Ricard neste fim de semana para o primeiro Grande Prêmio da França no local desde 1990.

Como se não tivesse sido difícil o suficiente prever as corridas este ano com Red Bull, Ferrari e Mercedes todas tendo tido várias vitórias até agora, temos um “novo” local, o Circuito Paul Ricard, no mix. Isso é “novo” em aspas porque, é claro, os carros de Fórmula 1 já competiram em Paul Ricard antes, com Alain Prost vencendo o último Grande Prêmio lá em 1990 em sua estridente Ferrari 641 com motor V12.

Isso pode ser um bom presságio para o recém-nomeado campeão Sebastian Vettel, com o piloto da Ferrari subindo ao topo da classificação após sua vitória no Canadá, tornando-se o primeiro piloto este ano a conquistar três vitórias (Daniel Ricciardo e Lewis Hamilton têm duas vitórias, cada um).

O que também pode ajudar Vettel na França é o fato de que seu principal rival, Hamilton, não ter feito segredo de sua antipatia pela pista de Paul Ricard. Hamilton tem um novo e atualizado motor Mercedes em seu armário, o que poderá lhe trazer algum benefício, neste circuito que depende de bastante potência.

Então, novamente, o Canadá era uma pista dependente de energia e Max Verstappen, da Red Bull, liderou as três sessões de treinos antes de terminar em terceiro na corrida. Então, é tudo para jogar, já que a Fórmula 1 entra em seu primeiro triplo título de campeões, com França, Áustria e Grã-Bretanha surgindo em rápida sucessão.

As vitórias nos três últimos GPs franceses patrocinados por Paul Ricard foram compartilhadas entre a McLaren e a Ferrari, mas considerando que isso foi há mais de um quarto de século, não sabemos o quanto podemos ler sobre isso…

Brincadeiras à parte é verdade que nenhuma das equipes tem algum tipo de forma significativa na pista, com Paul Ricard tendo sido usado apenas para testes de pneus esporádicos nos últimos anos, enquanto alguns pilotos como Max Verstappen e Lewis Hamilton nunca correram na pista em qualquer categoria. O que podemos prever é que suas longas retas premiarão a boa potência do motor, enquanto as longas curvas técnicas favorecerão a eficiência aerodinâmica.

Construído em 1970, sem dúvida, definindo o modelo para as modernas pistas de F1 com suas grandes zonas de run-off, o Circuito Paul Ricard fica no (geralmente) ensolarado sul da França entre as cidades de Toulon e Marselha. A pista foi completamente ressurgida antes do Grande Prêmio da França de 2018, com uma pista suave e aderente que dará uma sensação semelhante ao asfalto em Barcelona.

A pista anteriormente apresentava uma reta de 1,7 km conhecida como “Mistral Straight”. Mas, como o Mulsanne Straight em outra famosa pista francesa, o Circuit de la Sarthe de Le Mans, uma chicane foi adicionada para desacelerar os carros.

Outra coisa destinada a diminuir a velocidade dos carros é a famosa “Zona Azul” do Circuito Paul Ricard, com listras azuis e vermelhas ao lado da pista. Enquanto corre sobre estes pode parecer uma punição leve para obter um canto errado, a mistura de tungstênio e asfalto é muito abrasivo, fazendo uma viagem fora da pista uma experiência de punir o pneu.

Confira a programação para a realização do GP da França neste final de semana:

Sexta-feira 22 de junho
Treino livre 1 – 07h00 as 08h30
Treino livre 2 – 11h00 as 12h30

Sábado – 23 de junho
Treino livre 3 – 08h00 as 09h00
Classificação – 11h00 as 12h00

Domingo – 24 de junho
Grande Prêmio da França de F1 – 11h10

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

error: Conteúdo protegido contra cópia. Caso queira adquirir o conteúdo, envie um e-mail para: contato@diretodopodio.com.br